Itália e Brasil vivem reaproximação militar e comercial após Battisti

25/01/2019


O desfecho do caso Battisti, preso na Bolívia e extraditado para a Itália para cumprir pena de prisão perpétua, permitiu uma reaproximação militar, comercial e política entre a Itália e o Brasil. O momento é de lua de mel, disse uma fonte da diplomacia.

Nesta quinta-feira (24) a ministra da Defesa da Itália, Elisabetta Trenta, esteve com o presidente em exercício, general Mourão para discutir cooperação estratégica em Defesa e Segurança, além do aumento de investimento italiano no Brasil em outros setores.

Itália oferece aproximação militar com Brasil após prisão de Battisti

Na quarta-feira (23), em Davos, o presidente Bolsonaro esteve com o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte. O italiano agradeceu a atuação do Brasil no caso Battisti e ofereceu uma reaproximação militar.

No mesmo dia, no Brasil, a ministra da Defesa esteve no Recife para acompanhar o processo de licitação para a construção de quatro corvetas para a Marinha do Brasil. Quatro empresas italianas participam da concorrência pública. Mesmo que uma empresa estrangeira ganhe, a construção será em Pernambuco, gerando empregos locais.

Em 1ª entrevista à TV estrangeira, Bolsonaro anuncia visita à Itália

Além da construção das corvetas, os italianos têm interesse na construção de uma fragata Fremm (modelo fruto de cooperação Itália-França), com obras na Itália, e em vender equipamentos militares ao Brasil. Na área do comércio, a Itália pode ajudar a abrir mais as portas da União Europeia para produtos brasileiros.



Todas as Notícias