Cientista italiano Giorgio Parisi ganha o Prêmio Nobel de Física

01/11/2021


Premiado por sua pesquisa sobre sistemas complexos junto com os cientistas climáticos Syukuro Manabe e Klaus Hasselmann. A Itália não ganhava um Prêmio Nobel de Física desde 1984 com Carlo Rubbia. Parisi sempre se decepcionou com o fato de seu mentor, Cabibbo, não ter recebido o prêmio.

Em 5 de outubro de 2021, metade do Prêmio Nobel de Física foi concedido a Giorgio Parisi, um físico italiano que estudou o caos e sistemas complexos, e a outra metade ao cientista americano Syukuro Manabe, de 90 anos, nascido no Japão, juntamente com o alemão Klaus Hasselmann, de 89 anos. Parisi, de Roma, 73, foi premiada pela “descoberta da interação entre desordem e flutuações nos sistemas físicos desde o nível atômico até a escala planetária”. Seus dois colegas, climatologistas, ganharam por “modelagem física do clima da Terra, quantificando sua variabilidade e prevendo de forma confiável o aquecimento global”.

“Ele conta à Accademia dei Lincei, da qual é vice-presidente e que o arrancou de sua família para celebrá-lo na tarde do dia 5. Ele corre como um jovem entre elogios e perguntas, ocasionalmente rompendo com um dos sorrisos mais brilhantes conhecidos pelos cientistas. Nenhuma comemoração tinha sido preparada, embora a sensação de que o prêmio estava a caminho estivesse lá. “Absolutamente, não previmos nada”, dizem seus colegas da Academia. “Nem mesmo uma foto ou uma biografia de dez linhas”.

Um dos primeiros pensamentos de Parisi é para seu mentor Nicola Cabibbo, o “Nobel saudoso” com quem ele se formou em 1970. “‘Ele deveria ter recebido o prêmio, não eu. Ele foi um grande físico e infundiu conhecimento e entusiasmo a uma geração de físicos italianos, incluindo eu mesmo.

Mas o que Parisi realmente descobriu? “Tenho lidado com o caos”, explica o cientista. Não há nada mais fascinante do que encontrar ordem dentro dela. Das partículas aos sistemas neurais aos componentes que compõem um pedaço de vidro, existem sistemas cujas regras ainda estão por descobrir, e meu trabalho é tentar fazer isso. Há ainda tantas coisas que eu gostaria de descobrir.

Portanto, a Itália ainda parece ser um país adequado para a ciência. “Gostei do meu tempo lá e sempre fiquei lá”. É verdade que hoje em dia não há tanta fé na ciência. Pensamos que isso deixou de nos ajudar a criar um futuro melhor. Mas é errado pensar que estaríamos melhor sem ele. O que precisamos é mais ciência, não menos ciência. E também poderia nos ajudar a enfrentar a mudança climática. “A ciência está lá para nos ajudar a prever o futuro”, diz Parisi. “Neste caso nos avisa que algo sério pode acontecer se não agirmos logo para impedi-lo”.

Em sua carreira, Parisi estudou uma ampla gama de tópicos, todos os quais podem ser chamados de sistemas complexos: desde o bóson Higgs até as interações entre neurônios no cérebro, o que o levou a trabalhar em redes neurais e inteligência artificial, até o comportamento de aves individuais dentro de bandos ao se virar. Hoje, ele pesquisa a estrutura de materiais heterogêneos, como o vidro. O estudo do clima também é considerado parte de sistemas complexos. É por isso que o físico italiano foi premiado ao lado de dois colegas climatologistas.

Nascido em Roma, Parisi lecionou física teórica na Universidade Sapienza, onde se formou, foi presidente da Accademia Nazionale dei Lincei (agora é seu delegado) e é pesquisador do Instituto Nacional de Física Nuclear (Infn). Ele está longe de trabalhar em uma torre de marfim. Ele sempre foi levado ao campo para criticar as políticas de cortes no financiamento da pesquisa e publicou várias análises matemáticas sobre as curvas da epidemia de Covid.

Em 2010, após a morte do professor com quem ele se formou em 1970, Nicola Cabibbo, com uma tese sobre o boson Higgs, Parisi disse que lamentava que a pesquisa de seu mentor nunca tivesse ganho o Prêmio Nobel. Ele certamente dedicará parte do prêmio que recebeu em 5 de outubro a ele. O último italiano a ganhar o prêmio de Física foi Carlo Rubbia, em 1984. Dois anos depois, Rita Levi Montalcini ganhou o prêmio de medicina.

Entrevistado pela Academia Nobel sobre como ele irá celebrar, Parisi disse que ainda não havia decidido e que as restrições de Covid provavelmente o impediriam de organizar grandes cerimônias. “Estou feliz, eu não esperava isto”, disse ele. Mas então ele acrescentou sinceramente: “Eu sabia que poderia haver possibilidades”. Sobre seus dois colegas Nobel ele comentou: “É claro que para a geração futura temos que agir agora muito rapidamente contra a mudança climática”.

Fonte: La Repubblica



Todas as Notícias