PIB italiano cai 0,2% no primeiro trimestre, mas inflação desacelera para 6,2% em abril

29/04/2022


Após quatro trimestres de crescimento sustentado, no primeiro trimestre de 2022 o PIB italiano voltou a diminuir: expresso em valores encadeados com o ano de referência 2015, corrigido de efeitos de calendário e ajustado sazonalmente, caiu 0,2% face ao trimestre anterior. No entanto, no ano cresceu 5,8%. O anúncio foi feito pelo Istat, especificando que o primeiro trimestre teve um dia útil a menos que o trimestre anterior e um dia útil a mais que no primeiro trimestre de 2021.

Os principais fatores

A variação cíclica é a síntese de um aumento do valor agregado do setor agrícola, florestal e pesqueiro, uma redução nos serviços e um panorama estacionário na indústria. Do lado da demanda, há uma contribuição positiva da componente nacional e uma contribuição negativa da componente externa líquida, explica o Istat. A estimativa preliminar tem, como sempre, caráter provisório.

Variação adquirida em 2022 em + 2,2%

A variação adquirida para 2022 é de + 2,2%. É o que afirma o Istat através da divulgação de dados relativos à evolução do PIB no primeiro trimestre do ano, que, conforme referido, voltou a diminuir de forma cíclica após quatro trimestres positivos. Todo o ano de 2021 foi caracterizado por trimestres crescentes: + 0,3% para o primeiro, + 2,7% para o segundo, + 2,5% para o terceiro e + 0,7% para o quarto. O Istat, por outro lado, fala de um aumento “muito sustentado” da tendência do PIB.

Inflação desacelera para 6,2% em abril

Em abril, a inflação desacelera após nove meses de crescimento. De acordo com as estimativas preliminares do Istat, o índice nacional de preços ao consumidor para toda a comunidade (Nic) registou um aumento de 0,2% mensalmente e de 6,2% anualmente. A desaceleração da inflação em base tendencial deve-se principalmente aos preços dos bens energéticos (cujo crescimento passa de +50,9% em março para +42,4%) e é atribuível tanto aos preços da energia regulada (de +94,6% a + 71,4%) e aos energéticos não regulados (de + 36,4% para + 31,7%).

Fonte: Il Sole 24 Ore



Todas as Notícias