RIO EXPORTA – Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro

25/01/2017


O Sistema FIRJAN publicou a edição anual do RIO EXPORTA, o Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro, que analisa a performance do estado fluminense durante o 2016. Segue um resumo dos resultados obtidos.

Para ler o boletim completo: PDF

Em 2016, o estado do Rio registrou superávit de US$ 4,6 bilhões diante de US$ 17,2 bilhões em exportações e US$ 12,6 bilhões em importações. As exportações avançaram 1% em relação a 2015, enquanto as importações caíram 27%. Dessa forma, apesar do saldo positivo, a corrente comercial caiu 13%.

O desempenho das exportações do Rio foi impactado pelo avanço de 27% nas exportações de produtos manufaturados (US$ 7,6 bilhões), sobretudo de produtos da indústria de Outros Equipamentos de Transporte. Também se destacaram as vendas de Veículos Automotores (aumento de 49%) e de Máquinas e Equipamentos (avanço de 46%). Por outro lado, a indústria de Petróleo recuou em termos de receita, o que fez as exportações de produtos básicos (US$ 8 bilhões) diminuírem 11%, apesar de essa indústria ter batido recorde de embarques de petróleo (231 milhões de barris) desde 1996. Dessa forma, pela primeira vez desde 2006 as exportações do Rio de produtos industrializados (US$ 8,7 bilhões) superaram as vendas de básicos (US$ 8 bilhões) e foram a maior parte da pauta exportadora do estado.

Já as importações caíram 27% em relação a 2015, conforme a tendência nacional. Todas as categorias econômicas da pauta importadora fluminense recuaram, em especial os bens de capital (51%), pois caíram as compras de Outros Equipamentos de Transporte (23%). Os dispêndios de importação de combustíveis diminuíram 50%. Já a importação de bens de consumo caiu 19%, com destaque para as compras reduzidas de automóveis e medicamentos.

Em termos de parceiros, o Rio de Janeiro aumentou as exportações de produtos exceto petróleo para Países Baixos (48%) e Cingapura (63%), que se tornaram os principais parceiros do estado devido às vendas de plataformas. Também se destacaram as vendas da cadeia automotiva para o mercado latino-americano, com avanço nas vendas para países como Argentina, México, Paraguai, Equador e Colômbia. As exportações para Aladi somaram US$ 1,7 bilhão (avanço de 13%). Já as exportações para os EUA, que haviam sido principal parceiro do Rio em 2015, recuaram 26% por conta dos menores embarques da Metalurgia.

Nas importações de produtos exclusive petróleo, os EUA foram a maior origem dos importados (32%), seguido da China (9%).

Em 2016, o preço médio das exportações do Rio caiu pelo quinto ano consecutivo e atingiu o menor nível desde 2005, enquanto a quantidade exportada avançou 11% e foi recorde da série histórica desde 1997. Esse cenário foi definido em especial pelo setor de Petróleo e Gás, cujos índices tiveram o mesmo comportamento. Contudo, outros setores se destacaram por aumento tanto do preço quanto do quantum exportado, como as indústrias de Equipamentos de Informática e Eletrônicos e de Máquinas e Equipamentos.

Fonte: Rio Exporta – FIRJAN Internacional



Todas as Notícias