O Governo italiano está pronto para apoiar empresas na transição ecológica

11/10/2021


O governo está pronto para apoiar as empresas no processo de transição ecológica. Foi o que disse o Primeiro Ministro, Mario Draghi, que falou em vídeochamada no Summit B20. “As empresas e os governos devem trabalhar em conjunto para combater as alterações climáticas. Os países do G20 são responsáveis por 75% das emissões globais – afirmou -. A presidência italiana do G20” trabalha por um compromisso “coletivo”. “Precisamos de financiamento privado em grande escala, juntamente com mais investimento público, para acelerar a transição para uma economia de baixo carbono. As empresas estão exatamente no centro da transição ecológica. Vocês terão que mudar sua estrutura de produção, adaptar-se a novas fontes de energia e os governos estão prontos para apoiá-los “, acrescentou Draghi.

Marcegaglia a Draghi: fazendo de 2021 um ano de renascimento

O Chefe de Governo falou depois da presidente do B20, Emma Marcegaglia, que explicou a Draghi a declaração final da cimeira final. «O objetivo final do B20 é fazer de 2021 um ano de renascimento», explicou Marcegaglia. «Com este comunicado final – acrescentou – queremos apoiar os esforços em curso para reiniciar as nossas economias e sociedades, aproveitando as enormes oportunidades oferecidas pela cooperação multilateral renovada». A chair do B20 entregou ao primeiro-ministro as recomendações do mundo dos negócios, para submetê-las à mesa dos governos dos 20 grandes países do mundo. Quase um ano de trabalho, mais de mil delegados e dois mil participantes, divididos em task-force, uma comunidade de 6,5 milhões de empresas.

Draghi: G20 visa reforma do OMC

“Temos de enfrentar o proteccionismo sobre os produtos sanitários – afirmou Draghi -. Isto é essencial para garantir que temos os instrumentos necessários para combater esta pandemia e prevenir o futuro. Temos de defender a livre circulação das vacinas e das matérias-primas necessárias para as produzir. Estou confiante em que a cimeira do G20 em Roma, no final de outubro, alcançará um forte compromisso de reforma da OMC”, a Organização Mundial do Comércio. «A presidência italiana do G20 – disse o primeiro-ministro – está trabalhando para preservar e fortalecer um sistema de comércio multilateral eficaz, baseado em regras dentro da OMC».

Graças às vacinas, o fim do Covid finalmente à vista.

Na batalha contra a pandemia do coronavírus, o primeiro-ministro lembrou que “já administramos mais de 6 bilhões de doses de vacinas em todo o mundo. Os nossos esforços conjuntos ajudaram-nos a manter a pandemia sob controle em muitos países e a dar-nos esperança de que o seu fim estará finalmente à vista”.

Empresas dão exemplo para promover a igualdade de gênero

No seu discurso, Draghi quis sublinhar o papel do setor privado na promoção da igualdade de gênero. Tal como proposto no documento, as empresas podem aumentar as oportunidades de formação e a criação de emprego para as mulheres em todos os níveis. Pode reforçar a prestação de cuidados familiares, apoiar as mães que trabalham e eliminar os obstáculos que prendem as mulheres nas suas carreiras. E você pode dar o exemplo oferecendo orientação e suporte técnico para startups criadas por empresárias”.

Marcegaglia: as empresas oferecem aos governos do G20 uma verdadeira parceria

“No seu discurso de abertura, Marcegaglia salientou que “as empresas não estão fugindo às suas responsabilidades e estão oferecendo aos governos do G20 uma parceria verdadeira e construtiva, de acordo com o nosso lema ‘redesenhar o futuro’: Incluir, partilhar, agir”. E a Draghi em particular disse: “Estou confiante que, sob a sua inquestionável liderança” o G20 “fará “o que for preciso” para estar à altura do seu papel e construir verdadeiramente um futuro melhor”.

Lagarde: recuperação sem precedentes, mas atenção necessária

A recuperação da economia após as restrições pandêmicas é “totalmente notável, com uma recuperação que é “altamente atípica”: hoje “estamos assistindo à mais forte retomada da atividade desde 1975 na zona euro, esperamos que o PIB regresse ao seu nível pré-pandémico já no final de 2021, três quartos mais cedo do que o esperado em Dezembro passado, e devemos estar rapidamente perto de recuperar a tendência de crescimento pré-crise”. Isto foi dito pela Presidente do BCE Christine Lagarde, falando por vídeo na Cimeira do B20. Lagarde acrescentou que “ainda precisamos de gerir a recuperação com muito cuidado, esta velocidade notável está também criando fricções que podem amortecer o crescimento”, tais como o aumento dos preços da energia e o seu impacto nos lares e as perturbações na cadeia de valor global com impacto na produção industrial. E advertiu que alguns fatores inflacionários relacionados à recuperação pós-pandêmica “poderiam criar mudanças mais duradouras na demanda, levando a um prolongado desajuste entre a oferta e a demanda”.

Yellen: manter o estímulo para uma recuperação robusta

Uma das prioridades do G20 é “assegurar uma recuperação global inclusiva” e por isso “encorajei as outras grandes economias a continuarem com o estímulo econômico, especialmente face às incertezas das perspectivas econômicas criadas pelas novas variantes” do Covid-19, disse a Presidente do Fed Janet Yellen, falando por vídeo na Cimeira do B20.
Yellen salientou também que “a recuperação e a divergência económica estão aumentando com o regresso dos países mais avançados aos níveis pré-pandêmicos, enquanto os países pobres estão passando por dificuldades de tratamento e de adoção de vacinas. Este é um cenário que deve preocupar a todos.

Elkann: grupo de trabalho para visar as emissões e reduzir a diferença de gênero

No âmbito do grupo de trabalho B20, “em Abril definimos uma agenda”, dando prioridade a dois tópicos, nomeadamente “como aumentar a participação das mulheres no mundo do trabalho e como combater as alterações climáticas com um plano para atingir as emissões zero”.
Isto foi anunciado por Stellantis e pelo presidente do Exor John Elkann, falando na Cúpula do B20 na sua qualidade de co-presidente do B20 International Advocacy Caucus, recordando que o grupo de trabalho “visava a um resultado ambicioso que pudesse ser partilhado, definindo dez prioridades sobre os dois tópicos” em discussão.
No final da discussão”, explicou ele, “foram definidos dois parâmetros, nomeadamente o de reduzir o “fosso entre os gêneros” na participação da força de trabalho dos atuais 26 por cento para “19 por cento” em 2025 e o de reduzir as emissões de CO2 dos actuais 34 gigatoneladas para 21 gigatoneladas até 2030″.

Fonte: Il Sole 24 Ore



Todas as Notícias