Taranto inaugura o primeiro parque eólico offshore italiano e pede aceleração nas energias renováveis

22/04/2022


O parque eólico fornecerá energia ao porto de Taranto. Um acordo já firmado prevê a venda de pelo menos 10% da energia produzida por uma quantidade não inferior a 220 MWh por ano.

Após 14 anos de espera e várias vicissitudes – societárias, industriais, administrativas e judiciais em frente ao TAR -, Taranto inaugurou o primeiro parque eólico offshore italiano na manhã de 21 de abril. Chama-se Beleolico. Isso foi feito pela Renexia, empresa da holding Toto. O investimento é de 80 milhões de euros. Os números chave da infraestrutura energética são 10 pás, instaladas no Grande Mar, em frente ao terminal de contentores do grupo turco Yilport, 30 MW de capacidade total, mais de 58.000 MWh de produção, equivalentes às necessidades anuais de 60.000 pessoas, 730.000 toneladas de dióxido de carbono cortadas nos 25 anos de operação do parque.

O parque eólico fornecerá energia ao porto de Taranto. Um acordo já firmado prevê a comercialização de pelo menos 10% da energia produzida por uma quantidade não inferior a 220 MWh por ano. Mas o parque de Beleolico pretende também fornecer, por eletrólise, hidrogénio verde à antiga siderúrgica Silva e à refinaria Eni.

Os 14 anos que o projeto Taranto levou para ser concluído também foram uma oportunidade para reiterar, mais uma vez, que os investimentos em fontes renováveis ​​de energia devem ser acelerados para que a transição não fique no papel.

Giovannini: pensa no equilíbrio de interesses
Para o ministro das Infraestruturas e Transportes Sustentáveis, Enrico Giovannini, que falava com uma mensagem de vídeo na inauguração, “na frente das energias renováveis ​​o nosso país, nos próximos anos, verá um verdadeiro salto com plantas de vários tipos”.

“As usinas de energia renovável se tornaram ainda mais necessárias por esta dramática crise desencadeada pela guerra na Ucrânia”, disse Giovannini. Para o ministro das Infra Estruturas, centrais como a de Taranto “podem ser uma resposta importante às nossas necessidades”.

“É importante – salientou – não só potenciar as boas práticas mas também envolver as comunidades para perceber quais as soluções que podem ser óptimas do ponto de vista da produção de energia e relativamente menos impactantes”. O ministro das Infraestruturas pediu que a Itália criasse um “sistema”. Segundo Giovannini, esta “é uma das dificuldades que o nosso país tem em relação a outros países europeus e não só”.
«Fazer um sistema – salientou – significa realizar a compatibilidade. Sabemos que existe uma corrente de pensamento contrária à instalação de parques eólicos e fotovoltaicos em nome de um elemento protegido pela nossa Constituição, que é a proteção da paisagem». Mas isso, destacou Giovannini, “deve ser considerado em conjunto com outras proteções que nossa Constituição garante”. Entre outras coisas, a dos ecossistemas, do ambiente, no interesse das gerações futuras, como consta da alteração ao artigo 9º recentemente votada pelo Parlamento. Por isso, ter um equilíbrio dos diferentes interesses – defendeu o ministro -, das diferentes necessidades, também com vista às gerações futuras, exige uma nova forma de pensar e de ver». Segundo o ministro, “mesmo infra-estruturas inovadoras como esta têm impacto na paisagem, mas no conjunto limitado em relação a outras soluções”.
“Espero que possamos encontrar soluções de mediação também no que diz respeito a parques eólicos, fotovoltaicos ou outras soluções de energia renovável porque precisamos delas”, concluiu Giovannini.

Giorgetti: depois de Taranto espero um efeito de emulação
Para Giancarlo Giorgetti, Ministro do Desenvolvimento Económico, que também falou com uma mensagem vídeo, o parque eólico offshore Renexia em Taranto “pode ​​representar um marco e também um motivo de emulação para muitos outros que, financiados talvez com o desenvolvimento, com as iniciativas que que o PNRR pôs em prática, pode dar um contributo efetivo para o que será em perspetiva a soberania energética do país e o objetivo que todos nós devemos estabelecer”.
“Outras iniciativas têm sido aprovadas – acrescentou Giorgetti – e há um grande impulso por parte do Governo para este tipo de iniciativa. Mas a realidade real hoje é que a Renexia conseguiu de alguma forma avançar e inaugurar este primeiro parque eólico marítimo em Taranto ».

Bernabè: em renováveis ​​Itália em atraso extraordinário
Segundo o presidente da Acciaierie d’Italia, ex-Ilva, Franco Bernabè, na Itália há “170 GW aguardando autorização de construção, três vezes a necessidade energética italiana”. Por isso, salientou Bernabè, “há ideias e capital para as energias renováveis”. Hoje, afirmou o presidente da Acciaierie d’Italia, devemos «reduzir a importação de gás da Rússia, mas entretanto acumulamos um atraso extraordinário nas energias renováveis. A França e a Espanha fizeram mais do que nós. A França também fez muito em energia nuclear. Mesma situação para a Holanda. Nós, por outro lado, estamos atrasados ​​junto com a Alemanha. Temos um campeão em energias renováveis ​​como a Enel, mas ele construiu em todos os lugares, exceto na Itália». Segundo Bernabè, «o tema é “a liberalização do investimento em energias renováveis”.

Ciafani (Legambiente): impeça a festa do não
Para Stefano Ciafani, presidente nacional da Legambiente, “14 anos de espera são um tempo inaceitável. Por isso, como Legambiente, criamos o banner “Desculpe o atraso”. Mas este país deve pedir desculpas a quem quer investir e contribuir para a transição energética. Devemos dar substância a essas coisas». Para Ciafani, «os 14 anos que demoraram até chegar ao fim do projeto são o resultado de muitas omissões nesta área. A Superintendência disse que não, a Região, as autoridades locais, alguns grupos ambientalistas disseram que não”.

«Nós – Ciafani descobriu – éramos uma voz isolada. A festa não é muito transversal e ainda está à vista se você pensar no que está acontecendo para os parques eólicos da costa de Brindisi e Salento e para o que acontecerá com o de Barletta ». Para o número 1 de Legambiente, é preciso “evitar que este filme se torne uma novela”. Por isso “a Região deve identificar as áreas adequadas onde fazer as plantas, evitando dizer que devem ser feitas apenas nas áreas “perdedoras”, assim como os Municípios devem evitar dizer que não o façam no seu território mas no dos vizinhos Município”.
Ciafani pediu então a intervenção do ministro Dario Franceschini contra o que chamou de “obsessão das Superintendências contra os parques eólicos, uma obsessão que ainda está em curso” e exortou o mundo ambientalista a “coragem, clareza e consistência”. Hoje parte do mundo ambientalista é absolutamente inconsistente”.

“Mas se não queremos ver as chaminés e sim a sustentabilidade – concluiu o presidente nacional da Legambiente -, as energias renováveis ​​devem ser feitas em todo o lado e bem feitas”.

Fonte: Il Sole 24 Ore 



Todas as Notícias